"A CLINVET é um hospital veterinário 24 horas que cuida do seu pet com
competência e amor" Dra. Paola Américo

 

ATENDIMENTO
24 HORAS

Cachorro Tapete Higiênico

Era só o que me faltava… comer cocô?

Por Cristiane Amaral

Ahhh não, isso não. Por quê, Totó?! Poxa, a ração está ali à disposição, precisa comer o cocô?! É amigos, é chato, muito chato mesmo, mas isso acontece nas melhores famílias. Vamos encarar.

Tem até um ‘nome difícil’ que é dado pro comportamento: coprofagia. Que nada mais é do que esse ato, pra lá de desagradável, do cão comer fezes. Por mais repugnante que seja, acredite, é “normal”. Mas preste bem atenção nas aspas. Normal só em alguns contextos.

A veterinária comportamental Flávia Vallejo exemplifica: “fêmeas recém paridas comem as fezes de seus filhotes para mantê-los limpos e eliminar o cheiro para evitar predadores”.

Existem ainda vários outros motivos que podem levar o ingênuo Totó a se interessar pelas fezes. A veterinária cita alguns que podem e devem se contornados, como:

1. Quando o animal vive em um espaço muito restrito ou tem uma concepção errada de locais de dormir e de defecar, pode comer as fezes para manter o espaço limpo;

2. O cachorro pode querer chamar atenção;

3. Cães entediados ou estressados podem comer cocô por pura falta do que fazer;

4. Medo do dono que pune demais. O cão que recebe broncas e apanha ao fazer cocô pode passar a comê-lo para que o dono não veja e, consequentemente, não brigue.

Solução

A veterinária comportamental Flávia Vallejo é quem tem o caminho das pedras. Ela diz que, muitas vezes, simples alterações no ambiente e na rotina do animal podem resolver o problema. “Separar o banheiro do local de alimentação, por exemplo, aumentando a frequência de passeios”, indica.

Fingir que não viu que ele comeu o cocô também pode ser um bom caminho, se percebido que é o caso do bichinho estar querendo chamar atenção. Flávia diz que não se deve castigar o animal, já que isso pode ser interpretado como atenção e ele continuará apresentando esse comportamento.

Outra dica importante é manter o ambiente sempre limpo: “sempre que seu animal fizer cocô, limpe sem que ele veja você limpando, para evitar qualquer tipo de associação por parte dele”, sugere a Flávia.

Ahhhhhh. Dica boa. Você também pode promover um “castigo do além”. Sabe o que é isso?? É tentar dar um golpe no bichinho colocando pimenta nas fezes – mas sem que ele veja, claro – para que ele associe um gosto ruim às fezes. Só tem um problema: alguns cães gostam do sabor da pimenta e a idéia desse castigo cai por água abaixo. Mas… “existem no mercado produtos que deixam as fezes com gosto ruim, isso pode ajudar a inibir o comportamento”, finaliza a veterinária.

Parasitas

Não precisa ser muito entendido de medicina para saber que esse comportamento – além de muito porquinho – pode fazer um mal danado pra saúde do queridinho da casa. Muitos parasitas se instalam e são transmitidos pelas fezes e o cão que come o cocô de outros animais ou até mesmo o próprio pode estar se reinfestando com parasitas.

 

Escrito por Cristiane Amaral.

Cristiane Amaral é jornalista desde 2007. Atualmente, é repórter da Tv Tribuna, afiliada da Rede Globo na Baixada Santista e Vale do Ribeira. Trabalha com televisão desde a época dos estudos, já tendo passado pela produção de reportagens, edição, entrevistas, elaboração diária de textos até a apresentação de programas e telejornais. Nasceu e estudou em Santos, na Universidade Santa Cecília. Gosta de escrever sobre tudo, mas se dedica bastante a assuntos ligados à saúde, bem estar e comportamento em geral.