"A CLINVET é um hospital veterinário 24 horas que cuida do seu pet com
competência e amor" Dra. Paola Américo

 

ATENDIMENTO
24 HORAS

dog tear 02_ratio

Totó vive lacrimejando

Seu Totó é daquele que vive lacrimejando e, por isso, tem aparência de triste?? Ou então a lágrima dele é daquelas escuras e a sua agonia é que fica com ‘uma tal remela que não sai de jeito nenhum’… Essas manchas podem surgir por vários motivos. Quando a capacidade de drenagem do ducto da lágrima é insuficiente, ela acaba escorrendo pela carinha do Totó. Aí, entra em contato com os pelos e pele, a lágrima sofre a ação das bactérias que estão ali e esse processo altera a coloração dos pelos que se tornam avermelhados até o marrom escuro.

 

O posicionamento dos cílios, excesso de pelos na região próxima aos olhos e conjuntivites também pode provocar uma produção excessiva de lágrimas e resultando nessa “olheira”. Algumas particularidades como o metabolismo do animal, alergia a algum item da dieta ou mudanças na composição da lágrima motivadas pela dieta também são causas da cromodacriorreia – ‘nome feioso’ dado a essa popular ‘lágrima escura’.

 

As raças que mais costumam ter essas lágrimas são as toys, como Poodle, Maltês, Bichon Frise etc. As braquicefálicas também são acometidas por esse tipo de lágrima escura, ou seja: Pug, Boxer, Bulldog Inglês, Bulldog Francês, Shi Tzu, etc. Os gatos também podem ter essas lágrimas em excesso, no caso são mais os persas… já que apresentam o globo ocular mais saltado, o que propicia um maior derramamento de lágrimas para fora dos olhos, por sua drenagem estar comprometida, devido à compressão do ducto de drenagem.

 

O que fazer ?

O ideal é que seja feita a limpeza diária do local, para diminuir as crostas amarronzadas dos pêlos abaixo dos olhos. Atualmente, já existem produtos no mercado que podem ser usados para minimizar essas manchas e promover o clareamento da região. Quem trata a cromodacriorreia são os oftalmologistas veterinários. É indicado levar os Totós até eles, pois podem:

– Apresentar entropia (cílios voltados para dentro), sendo possível a correção cirúrgica de pálpebras;
– Tratamento de afecções como conjuntivite;
– É possível em alguns casos, a desobstrução do canal da lágrima, cirurgicamente; Entre outros procedimentos.

 

Cristiane Amaral é jornalista, pós-graduada em marketing. Foi repórter da TV Tribuna, em Santos, e atualmente da TV Globo, em São Paulo. É mãe da Malala, uma maltês conectada nas redes sociais @malala_dog.