"A CLINVET é um hospital veterinário 24 horas que cuida do seu pet com
competência e amor" Dra. Paola Américo

 

ATENDIMENTO
24 HORAS

A dog wearing carnival costume takes part in the animals carnival, in Copacabana beach in Rio de Janeiro on February 03, 2013. AFP PHOTO / CHRISTOPHE SIMON        (Photo credit should read CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images)

Totós longe das espuminhas de carnaval…

Sabe aquele sprayzinho de carnaval que as crianças adoooooram e os adultos nem tanto? Pois é, para os animais aquilo pode ser um risco e tanto. Pra falar bem a verdade, não só pros animais, mas pra todo mundo se não for bem usado pelo pessoal de duas pernas.

 

Mas a lição número 1 é: se amamos nossos bichinhos (como amamos e muito) ao vermos nossas crianças (que amamos muito também) mirando a espuminha neles e se divertindo com isso… temos a obrigação de orientá-las que isso pode não fazer bem.

 

E isso vale se vermos nossos pequenos foliões mirando muito certeiramente em outros amiguinhos também. Porque a composição da espuminha… hmmm… digamos, que não foi feita, assim, pela indústria farmacêutica, nem pela indústria pet. Então não faz muito bem nem pra um, nem pra outro.

 

Com carinha de inofensiva, a espuminha pode causar sérios danos à saúde. O alerta é da própria ANVISA, já que tem substâncias que, em contato com a pele, podem causar reações alérgicas e urticárias, além de irritações na garganta e nos olhos.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, nesse período são comuns os casos de acidentes oculares, lesões e reações alérgicas, mas os prejuízos podem ser fatais, levando até mesmo, nos casos mais graves, a lesões oculares que podem comprometer a visão.

 

No geral, tanto pros bichinhos, quanto nas pessoas, os principais danos que o spray de carnaval pode causar são lesões na pele, mucosas e irritação respiratória.

 

Mas a preocupação com os Totós não pára por aí. Porque é muuuuito, mas muuuuito comum ver a cena que eu descrevo agora: ‘a criança já brincou com o spray, bem orientada pelos pais pra não jogar nos olhos de ninguém e só jogar pra cima a espuminha, e a latinha ficou fazia. O que fazer com ela? Jogar no lixo? Não. Claro que não. Dar pro Totó brincar. Afinal faz barulho não chão e ele vai adorar… como a-d-o-r-o-u’.

 

O perigo dessa historinha é que a latinha contém um gás que é utilizado para fazer com que o mecanismo de spray funcione. E esse gás é derivado de petróleo… altamente inflamável… e responsável por parte da destruição da camada de ozônio.

 

O Ministério da Saúde destaca que, assim que a espuma do produto acabar, a pessoa não deve insistir em apertar o botão do spray, já que a única coisa a sair da latinha serão os resíduos de gás.O que dizer o Totó que vai furar a latinha com seus dentinhos afiados e ter contato direto com esse gás?!?! Não daria pra fazer bem pra ele.

 

Mesmo com a latinha cheia de espuma, deixar o Totó brincar com ela é perigoso. Os especialistas indicam que é preciso evitar que a espuma fique perto de calor excessivo, porque, ao contato com muito calor, pode provocar uma explosão. Um dia muito quente, como vem fazendo é suficiente pra isso. Taí outro perigo pro Totó…

Sem querer ser a chata da espuminha, claro que é divertida… mas temos que orientar as crianças que o ideal é jogar aleatoriamente, pra cima, sem muita mira nas pessoas, nem nos bichinhos… porque com os amigos de quatro patas, não há dúvidas, melhor ficar longe dos sprays… e fazer folia de outra forma!

 

Tive uma ideia: que tal com uma bolinha????

 

Cristiane Amaral é jornalista, pós-graduada em marketing. Foi repórter da TV Tribuna, em Santos, e atualmente da TV Globo, em São Paulo. É mãe da Malala, uma maltês conectada nas redes sociais @malala_dog.